Basílica do Sacré-Coeur & Musée de Montmartre #Paris, França

Basílica do Sacré-Coeur & Musée de Montmartre
Cidade: Paris, França
Local: Rua Cortot, 12 (Musée) – Montmartre
Tema: História, Sociedade, Arquitetura e Religião
Site Basílica: http://www.sacre-coeur-montmartre.com/
Site Musée: https://museedemontmartre.fr/
Metro : Estação Pigalle ou Anvers | M2 Porte Dauphine-Nation
Google Maps: https://goo.gl/maps/Basílica_SacréCœur | https://goo.gl/maps/MuséeMontmartre
Preço: Basílica FREE | Museu 13

⭐ Importância Histórica e Conteúdo ⭐ Arquitetura e Ambiente Interno ⭐ Sala de Exibição e Iluminação ⭐ Qualidade da Coleção dos Itens ⭐ Exibição e Exposição ⭐ Descrição e Display (Francês + Inglês) ⭐ Fotografias e/ou Ilustração Explicativas ⭐ Recepção e Areas Públicas ⭐ Localização, Preço e Acesso.

Butte Montmartre é um bairro cheio de charme autêntico, famoso pela Basílica de Sacré-Coeur, Cabarés e uma vista magnífica de Paris. Pelo preço de uma passagem de metrô, os visitantes podem pegar o funicular até o topo da colina de Montmartre ou então subir os 222 degraus que levam ao jardim público Louise Michel.

Nesse post vamos “perambular” através dos paralelepipedos do Butte, vagando entre os extremos da Fé e Espiritualidade da Basílica do Sacré-Coeur ao Profano dos Cabarés e Sedutora Boemia, que fazem de Montmartre um local curioso e incomparável.

A Basílica do Sagrado Coração em Paris é uma das mais emblemáticas e expressivas qualidades de uma cidade repleta de contrastes e significados. É uma construção recente datada do século XIX, mais precisamente entre os anos de 1875-1914 (39 anos). A Basílica é fruto de um processo político que recorda o conflito franco-prussiano, 1870.

Como consequência da derrota Francesa e ocupação de parte do país pelas tropas alemãs, através dos Srs. Alexandre Legentil e Hubert Rohault de Fleury prometem então construir uma Igreja consagrada ao Coração de Cristo “em reparação” (ou seja, em penitência pelas infidelidade e pelos pecados cometidos) porque, para eles, os infortúnios da França vêm de causas espirituais, e não políticas. Ao final do ano de 1872: o Cardeal Guibert, arcebispo de Paris, aprova esse desejo e escolhe Montmartre como local.

A Basílica do Sagrado Coração é hoje um dos principais cartões postais da capital francesa, situada no ponto mais alto do bairro de Montmartre, região conhecida pela boemia e resistência político-civil [vide comuna de paris].

Le Musée de Montmartre

O museu encontra-se a poucos metros da Sacre Coeur na rua cortot. Nos arredores do bairro acontecem diversas atividades e praças interessantes para visitar como a Place du Tertre, vinhedos de Montmartre, Cabaret Lapin Agile, etc … centenas de cafés e lojas de souvenirs. Mas nosso point, para esse post, em #MuseumsOnTheRoad é o idílico Musée de Montmartre.

O museu aparentemente é mais uma das tradicionais construções locais. Mas em seu interior revelam-se histórias, um rico arsenal cultural situado nesse simpático e mítico bairro parisiense. O Museu Montmartre apresenta-se em uma das casas mais antigas do Butte, chamada Maison du Bel Air. As coleções permanentes na maison representam um conjunto único de pinturas, pôsteres e desenhos que remontam à história lúdica do local da efervescência artística de suas oficinas à atmosfera de seus famosos cabarés.

Maison du Bel Air

A coleção permanente apresentada aqui irá mergulhá-lo na história de Montmartre e revelar sua rica cultura. Durante o século 19, a paisagem de Montmartre começou a mudar. As usinas [moinhos] interromperam suas atividades e as vinhas desapareceram lentamente devido à urbanização. Em 1860, Montmartre foi anexado à cidade de Paris. A partir desse momento, a cidade se impôs sobre Montmartre.

Os artistas começaram a se mudar para Montmartre em 1870 e os cafés e cabarés se multiplicaram na década de 1880. O que rapidamente veio a caracterizar Montmartre aos olhos de todos foi esse espírito boêmio efervescente, uma energia criativa. O cabaré mais célebre, o Chat Noir, recebeu várias apresentações do Théâtre d’Ombres, teatro de sombras, criado em 1866 por Henri Rivière e Henry Somm. No final de 1887, com o sucesso da Tentação de Saint-Antoine, Rivière conseguiu transformar um pequeno show de sombras em uma extraordinária performance artística técnica e elaborada.

Toulouse-Lautrec revolucionou o design gráfico dos cartazes publicitários, ajudando a definir o estilo que seria posteriormente conhecido como Art Nouveau. O tema principal das pinturas de Toulouse-Lautrec era a vida boêmia parisiense.

Teatro, música, circo e dança tiveram um papel gigante em Montmartre. Toda Paris vinha assistir as performance de La Goulue, La Môme Fromage ou Grille d’Égouts e as demais dançarinas do Moulin Rouge.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Henri_de_Toulouse-Lautrec

https://pt.wikipedia.org/wiki/Pierre-Auguste_Renoir

Jardins Renoir

Com a anexação do Butte a Paris em 1860, Montmartre urbanizou e o campo voltou a beneficiar a cidade. Os cabarés substituem os moinhos. Os artistas, atraídos por essa efervescência, a bela luz e as paisagens ainda bucólicas, se instalam em Montmartre. Um desses grandes artistas foi Pierre-Auguste Renoir. Os Jardins do museu estão inspirados nas telas impressionistas de Renoir.

Os jardins do Musée de Montmartre foram nomeados em memória de Auguste Renoir, que viveu lá entre 1875 e 1877 e pintou várias obras-primas, como o Bal du Moulin da Galette, o Balançoire ou o Jardin de la rue Cortot. Cada jardim tem seu próprio caráter inspirado na paleta do pintor impressionista. Suzanne Valadon e André Utter, seu companheiro, também imortalizaram esses jardins.

La Balançoire | Renoir

Local original de onde é eternizado “o balanço” por Renoir

Ao atravessar o Jardin Renoir há o L’Hôtel Demarne um espaço dedicado para exposições temporárias. Estivemos em setembro de 2017 e a exposição Montmartre Décor de Cinéma apresentava cenários e temas do Cinema Francês com os clássicos filmados em Montmartre e/ou produções que utilizaram diversas paisagens do Butte.

Uma visita incrível e cinematograficamente original. Montmartre é inebriante, deliciosa e tóxica aos puritanos. Parada obrigatória. valew valew et à bientôt Butte.

Café des Deux Moulins | Cenário do Filme de 2001 local de trabalho de Amelie.
Moulin Rouge

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.