Museu Internacional da Reforma Protestante e Arquivos do Estado #Genebra, Suíça

Museu Internacional da Reforma Protestante
Cidade: Genebra, Suíça
Local: Rue du Cloître 4, Centro Histórico (Old Town) ao lado da Catedral de São Pedro
Tema: História da Reforma Protestante [Religião]
Sites:
https://www.musee-reforme.ch/fr/
http://www.cathedrale-geneve.ch/fr
https://ge.ch/archives/
Google Maps: https://g.page/MIR-MuseeReforme
Preço: 13 CFH (11 €)

⭐ Importância Histórica e Conteúdo ⭐ Arquitetura e Ambiente Interno ⭐ Sala de Exibição e Iluminação ⭐ Qualidade da Coleção dos Itens ⭐ Tecnologia e Video (Hi-Tec) ⭐ Exibição e Exposição ⭐ Descrição e Display (Francês + Inglês + Alemão) ⭐ Fotografias e/ou Ilustração Explicativas ⭐ Recepção e Areas Públicas ⭐ Localização, Preço e Acesso

A boa e surpreendente Genebra. Uma cidade frente a borda com França, que pese a consciência de um de seus gigante e ilustre cidadão, Rousseau (Jean Jaques) .. Os estudiosos vêm se dividindo acirradamente sobre a relevância da política e da história de Genebra na filosofia política de Rousseau. Eu busco chegar a uma visão coerente do compromisso de Rousseau com Genebra, uma que rejeita tanto a ideia de que ela é simplesmente irrelevante ao núcleo das doutrinas políticas do autor, quanto a que essencialmente lê tudo como uma intervenção na política genebrina. Nenhuma dessas concepções parece correta. De fato, Genebra, como Rousseau a concebeu, é uma presença constante que informa seu pensamento de modos diferentes. Rousseau não foi tão ingênuo a ponto de pensar que Genebra encarnava seus princípios, mas também não viu a verdadeira natureza da cidade como uma oligarquia hereditária. Ele a julgou defeituosa, porém remediável, uma avaliação talvez marcada pela aversão ao conflito civil, ao menos até que a realidade genebrina colidisse com suas ilusões. .. [Rousseau e Genebra. Bertram, Christopher].

Genebra um estado político agitado, como muitos organismos sociais “heréticos”, resultado da reforma religiosa, que serviu de referência para as práticas filosóficas de Rousseau em meados do séc. XVIII, que mais tarde o alçou em voos, com suas obras revolucionárias “O Emílio” e a mais célebre O Contrato Social. Genebra é feita no espírito das ideias e ideias são a base das contradições que processam eventos e causaram, nesse caso, profundas mudanças. Apesar da “Fleuma Suíça”, Genebra foi epicentro de um dos mais importantes fatos da história moderna, a Reforma Protestante de João Calvino.

O Calvinismo como é conhecido originou-se dos conflitos e crises religiosas que afrontaram a Igreja Católica no início do séc. XVI, liderado por Martinho Lutero, simbolizado pela publicação de suas 95 Teses em 31 de outubro de 1517. Lutero foi apoiado por vários religiosos e governantes europeus provocando uma revolução religiosa, iniciada no Sacro Império, estendendo-se pela Suíça, França, Países Baixos, Inglaterra, Escandinávia e algumas partes do Leste europeu, principalmente os Países Bálticos e a Hungria.





É nesse contexto que ergue-se a figura de João Calvino. Teólogo francês foi integrante do clero, todavia não chegou a ser ordenado sacerdote. Depois do seu afastamento da Igreja romana, este intelectual começou a ser visto como um representante importante do movimento protestante. Vítima das perseguições aos huguenotes na França, fugiu para Genebra em 1533 onde faleceu em 1564. Genebra tornou-se um centro do protestantismo europeu e João Calvino permanece desde então como uma figura central da história da cidade e da Suíça. Calvino publicou as Institutas da Religião Cristã, que são uma importante referência para o sistema de doutrinas adotado pelas Tradição das Igrejas Reformadas: O Calvinismo.

Em visita ao Museu Internacional da Reforma Protestante pude conhecer melhor essa história e imergir na grande reforma que Genebra testemunhou. Infelismente não é permitido fotos no museu, assim não poderei ilustrar os salões e apresentar o conteúdo em imagens para o blog. Mas, que sem dúvida, valeu a pena a visitar.

O MIR Museu Internacional da Reforma apresenta a história da Reforma Protestante, da qual Martinho Luthero e Jean Calvin foram notadamente os gatilhos. Mais de 600 objetos, livros, manuscritos, tabelas, gravuras ou filmes distribuídos em 14 salas sublinham a evolução desse movimento que transformou de maneira duradoura o cristianismo europeu e depois mundial. Genebra foi uma das cidades fundadoras desse processo no século XVI.

O Museu ganhou o Prêmio de Museu do Conselho da Europa de 2007. Esta distinção de prestígio é concedida todos os anos desde 1977 a uma instituição que oferece uma contribuição notável ao conhecimento do patrimônio cultural europeu. O Museu está localizado na Maison Mallet, construída no século XVIII, no local do claustro de Saint-Pierre, onde a Reforma foi votada em Genebra em 1536.

Auditorio de Calvin

Mas para pouco curioso ou “devoto” da história o MIR era um [pit stop] nesse mapa literário da reforma calvinista. Ao circular pela área encontrei diversos lugares que contam de alguma forma as transformações sociais que a cidade promoveu no passado, e que até hoje ainda podemos nos certificar. Visitei o Les Archives d’Etat de Genève (AEG), espaço aberto ao público e local onde se encontram diversos documentos, muitos originais, a disposição para estudo e consulta.












Les Archives d’Etat de Genève (AEG) mantiveram os arquivos públicos de Genebra desde a Idade Média até os dias atuais. Portanto, eles mantêm todos os documentos oficiais do estado, incluindo o status civil, bem como os documentos dos principais estabelecimentos ligados ao estado, como os hospitais da Universidade de Genebra ou os serviços industriais de Genebra. Período: de 1099 até os dias atuais.







s’suit l’histoire … O monumento Muro dos Reformadores na sua parte central representa os quatro pioneiros da reforma Protestante vestidos com a capa de Genebra. Guilherme Farel (1489 – 1565) é um dos instigadores da Reforma em Genebra, João Calvino (1509 – 1564) é a personagem chave desse movimento, Teodoro de Beza (1513 – 1605) foi reitor da Academia de Genebra e sucessor de Calvino e João Knox (1513 – 1572) foi o fundador do culto presbiteriano na Escócia. No pedestal onde se encontram estas estátuas está gravado o Cristograma: ΙΗΣ (Jesus Homem e Salvador). No monumento também se vê a divisa de Genebra : Post Tenebras Lux (Depois das trévas, a luz).

Da esquerda à direita, estátuas de Guilherme Farel, João Calvino, Teodoro de Beza e John Knox
O Muro dos Reformadores

Antes de encerrar o post …deixo duas frases de J.J.Rousseau, pós-contemporaneo de Calvin e um “maldito” cidadão de Genebra, que me marcaram muito nessa insólita viagem.

– A alma resiste muito mais facilmente às mais vivas dores do que à tristeza prolongada.
Quanto mais do mundo vi, menos pude moldar-me à sua maneira.

Um valew valew et a bientôt Genève …

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.