Auschwitz-Birkenau Nazi Camp #Polônia

Auschwitz-Birkenau Nazi Camp #Polônia
Cidade: Auschwitz e Birkenau, Polônia
Local: Oświęcim (Auschwitz) 50km de Cracóvia, ao Sul da Polônia
Tema: Memorial de Guerra, Prisão, Holocausto e Sociedade
Site: http://auschwitz.org/en/
Para saber mais: Auschwitz-Birkenau (wiki)
Google Maps: https://goo.gl/maps/Auschwitz-Birkenau
Preço: 120 PLN (25 €)

⭐ Importância Histórica e Conteúdo ⭐ Sala de Exibição e Iluminação ⭐ Qualidade da Coleção dos Itens ⭐ Exibição e Exposição ⭐ Descrição e Display (Polonês + Inglês + Hebraico) ⭐ Fotografias e/ou Ilustração Explicativas ⭐ Recepção e Areas Públicas ⭐ Localização, Preço e Acesso

Enfim chegamos ao MEMORIAL AND MUSEUM AUSCHWITZ-BIRKENAU NAZI CONCENTRATION CAMP, um lugar sombrio de pesadas memórias. Sem dúvida um lugar marcado pelo sofrimento e dor. Bem mais que uma viagem histórica, um “desenrolar” espiritual em que as questões da psicologia social e política do séc. XX levaram ao colapso da razão. Auschwitz-Birkenau hoje encara de forma digna os tempos da escuridão que pairavam por entre as cercas e blocos de confinamento.

O tour pode ser feito individualmente, através do site, ou em grupos, utilizei uma promoção na internet O GetYourGuide para agendar meu tour porque, nesse caso, entendo que há a necessidade de um guia local descrevendo os detalhes de cada parte dos acessos aos campos de concentração e extermínio de Auschwitz-Birkenau, o que realmente mais me interessava era a história. Ao comprar pela internet tive todo o suporte via e-mail do qual informava a hora e local de encontro em Cracóvia — sim, a maioria dos tours para Auschwitz-Birkenau partem de Cracóvia, existem inúmeras agências oferecendo o tour direto pela cidade.

Saímos de manha cedo às 08h rumo a Auschwitz-Birkenau, em aproximadamente 1h de viagem chegamos ao primeiro destino – Auschwitz I. O tour é dividido em duas partes Auschwitz I e Auschwitz II-Birkenau, são dois campos com 2km de distância um do outro. Há um terceiro o Auschwitz III-Monowitz, O acampamento em Monowice foi um dos primeiros e também o maior dos subcampos de Auschwitz. Com o tempo, alcançou o status de quartel general dos subcampos “industriais”, e seu comandante era gerente e administrador, além de comandante das guarnições da SS que se reportaram a ele, mas nesse passeio/tour Auschwitz III-Monowitz ficou de fora.

Auschwitz I

O primeiro e mais antigo foi o chamado “main camp”, mais tarde também conhecido como “Auschwitz I“, o número de prisioneiros flutuava em torno de 15.000, às vezes subindo acima de 20.000. Tendo em vista as funções básicas de Auschwitz, sua história pode ser dividida em dois períodos básicos.

1. Desde a sua fundação em 1940 e a deportação do primeiro transporte de poloneses, presos políticos em 14 de junho de 1940, até os primeiros meses de 1942, quando funcionava exclusivamente como um campo de concentração – ou seja, predominantemente um local de matança lenta como o resultado de condições desumanas deliberadamente criadas, sobretudo fome.

2. Dos primeiros meses de 1942 a outubro de 1944, quando o campo continuou a funcionar como um campo de concentração para prisioneiros de várias origens étnicas (a partir de meados de 1942, principalmente judeus, poloneses e ciganos), enquanto simultaneamente funcionava como o maior centro para o imediato, assassinatos em massa de judeus trazidos para cá no âmbito da campanha pela destruição de toda a população judaica da Europa.

Nos últimos dois meses de existência, após o fechamento das câmaras de gás em outubro de 1944, em conexão com a situação militar crítica do Terceiro Reich e a esperada ofensiva soviética, o campo entrou na fase de liquidação final, que terminou com a evacuação dos oficiais alemães e prisioneiros.

Portão de Entrada Auschwitz I – Audio Guide e Grupo ao Fundo




Identificação dos Blocos


O campo de concentração de Auschwitz foi aberto no antigo quartel do exército polonês em junho de 1940. Vinte edifícios de tijolos foram adaptados, dos quais 6 eram de dois andares e 14 de um andar. No final de 1940, os prisioneiros começaram a adicionar o segundo andar aos blocos de um andar. Na primavera seguinte, eles começaram a montar 8 novos blocos. Este trabalho foi concluído no primeiro semestre de 1942. O resultado foi um complexo de 28 blocos de dois andares, a maioria foram usados ​​para abrigar prisioneiros.

Como regra, havia dois quartos grandes no andar de cima e vários quartos menores no andar de baixo. Os blocos foram projetados para abrigar cerca de 700 prisioneiros cada depois que o segundo andar foram adicionadas, mas na prática eles abrigavam até 1.200.








O interessante em estar com o audio-guide — no meu caso, em inglês, mas há a opção para quem deseja em espanhol — é que a medida que circulamos podemos ouvir e entender melhor os fatos e acontecimentos que marcaram Auschwitz nesse período entre Maio de 1940 a Janeiro de 1945, praticamente 05 anos de atividades “econômicas” nazistas.

Os alemães isolaram todos os campos e subcampos das áreas ao entorno – mais de 40 subcampos de Auschwitz, explorando os prisioneiros como trabalhadores escravos, foram fundados, principalmente em vários tipos de fábricas e fazendas industriais alemãs, entre 1942 e 1944 – e os cercaram com cercas de arame farpado. Todo contato com o mundo exterior era proibido. No entanto, a área administrada pelo comandante e patrulhada pela guarnição do campo da SSSchutzstaffel “Tropa de Proteção” – foi além do terreno cercado por arame farpado. Incluía uma área adicional de aproximadamente 40 quilômetros quadrados (a chamada “Interessengebiet” – a zona de interesse), que ficava ao redor dos campos de Auschwitz I e Auschwitz II-Birkenau.

A população local, os poloneses e judeus que moravam perto do campo recém-fundado, foram despejados em 1940-1941. Aproximadamente mil de suas casas foram demolidas. Outros edifícios foram designados para oficiais e oficiais não comissionados da guarnição do acampamento SS, que às vezes vinham com toda a família. As instalações industriais pré-guerra na zona, assumidas pelos alemães, foram ampliadas em alguns casos e, em outros, demolidas para dar lugar a novas fábricas associadas às exigências militares do Terceiro Reich. A administração do campo usou a zona ao redor do campo para suporte técnico, oficinas, armazenamento, escritórios e quartéis para o SS.

O que podemos entender é que Auschwitz-Birkenau foi um local onde eram alojadas a mão-de-obra, base escrava, para a industria e serviços pró Terceiro Reich. Além do fator econômico, que movimentava a industria da guerra, havia algo muito pior — uma ideologia sórdida de dominação que transformava as pessoas contraria aos preceitos nazistas em seres sub-humanos. Algo que aponta para uma catastrofe social movida pelo poder e a idéia de superioridade.

Durante a Segunda Guerra Mundial, os médicos nazistas atenderam às expectativas da liderança do Terceiro Reich, apoiando as políticas demográficas do regime. Eles iniciaram uma ampla pesquisa sobre métodos de esterilização em massa que seriam aplicados a povos considerados pertencentes a uma categoria inferior.









Maquette – Fornalha | Crematório















O tour passa por vários blocos onde parte da história de Auschwitz-Birkenau é contada, entre estes blocos há diversos itens desde documentos, fotografias, objetos pessoais dos prisioneiros, etc … Entre estes o famoso Bloco 11 – Prisão, Condenação e Morte, além do edíficio da oficina da morte A Câmara de Gás.

A punição regulamentar foi aplicada em Auschwitz com base em ordens escritas do comandante ou do diretor do campo, bem como relatórios de homens da SS. As infrações punidas com mais frequência incluíam todas as tentativas de adquirir alimentos adicionais, várias formas de fugir ou trabalhar de maneira insatisfatória, fazer coisas como fumar ou descansar em hora imprópria, vestir roupas não regulamentadas ou tentar cometer suicídio.

As punições foram completamente arbitrárias. Os presos receberam penas diferentes pelos mesmos crimes. As punições mais frequentes foram açoitamento, confinamento no bloco 11 do campo principal, “o posto” (strappado ou “tortura pendurada”) ou a pena capital.

Bloco 11 – Detenção, Julgamento e Execução

Memorial | Pátio de Execução



Câmara de Gás


O dia de trabalho começava às 4:30 no verão e às 5:30 no inverno. Os prisioneiros levantavam ao som de um aviso por meio de sirenes e cuidadosamente arrumavam seus aposentos. Em seguida, se lavavam e antes de tomar o “café” ou “chá”. Ao som de um segundo sinal, corriam para a praça de chamada, onde se alinhavam em fileiras de 10/4. Os prisioneiros eram contados durante a chamada. Se os números não correspondessem, a chamada seria prolongada. Finalmente, a ordem dos trabalhos eram definidas.


Os prisioneiros que trabalhavam em locais a vários quilômetros de distância não participavam da chamada – eles partiram para o trabalho mais cedo. Os prisioneiros que faziam os trabalhos internos, como hospital, cozinha ou orquestra, também eram privados da chamada. A chamada da manhã foi abolida em fevereiro de 1944, a fim de maximizar o tempo gasto no trabalho.

Os prisioneiros realizavam vários tipos de trabalho dentro e fora dos limites do campo. A partir do final de março de 1942, o dia útil mínimo era de 11 horas. Esse tempo foi estendido no verão e encurtado no inverno. O intervalo para a refeição do meio-dia durava das 12 às 13 horas. Dependendo da época do ano, poderia ser estendido para 2 horas ou reduzido para meia hora.

Os prisioneiros retornavam ao campo sob escolta da SS antes do anoitecer. Eles freqüentemente carregavam os cadáveres daqueles que morreram ou foram mortos enquanto trabalhavam. A chamada noturna começava às 7 horas e, como pela manhã, poderia ser prolongada por discrepâncias no número de prisioneiros. Após a chamada, os presos recebiam o pão da noite com o acompanhamento. Eles tinham tempo livre após o jantar. Até o primeiro aviso, o sinal para que todos voltassem aos seus aposentos, os prisioneiros esperavam sua vez pelos banheiros e toaletes. Eles também podiam receber correspondência (e, após 1942, encomendas) ou visitar conhecidos em outros blocos. O segundo aviso, às 9 horas, anunciava o silêncio noturno.

Os prisioneiros não precisavam trabalhar todos os domingos e feriados, dos quais passavam arrumando seus aposentos, consertando ou lavando suas roupas, ou barbeando e cortando o cabelo. Eles também podiam assistir a concertos da orquestra no acampamento e, a cada duas semanas, enviar cartas oficiais para suas famílias.








Auschwitz II – Birkenau


Birkenau foi o maior dos mais de 40 campos e sub-campos que compunham o complexo de Auschwitz. Durante seus três anos de operação, ele teve várias funções. Quando a construção começou em outubro de 1941, era para ser um campo para 125 mil prisioneiros de guerra. Foi inaugurado como um ramo de Auschwitz em março de 1942 e serviu ao mesmo tempo como um centro para o extermínio dos judeus. Em sua fase final, a partir de 1944, tornou-se também um local onde os prisioneiros estavam concentrados antes de serem transferidos para o trabalho na indústria alemã do Terceiro Reich.

A maioria – provavelmente cerca de 90% – das vítimas do campo de concentração de Auschwitz morreu em Birkenau. Isso significa aproximadamente um milhão de pessoas. A maioria, mais de nove em cada dez, eram judeus. Uma grande proporção dos mais de 70 mil poloneses que morreram ou foram mortos no complexo de Auschwitz pereceu em Birkenau. O mesmo fizeram aproximadamente 20 mil ciganos, além de prisioneiros de guerra soviéticos e prisioneiros de outras nacionalidades.

Portão da Morte | Auschwitz II – Birkenau




Crematório | Destruído pelos Soldados Nazistas antes da Libertação do Campo pelo Exército Soviético









Números gerais por etnia ou categoria de deportados

Judeus – 1 milhão
Poloneses – 70-75 mil
Ciganos – 21 mil
Prisioneiros de guerra soviéticos – 15 mil
Outras – 10-15 mil

Total
Aproximadamente. 1,1 milhão

— Que o Museu e Memorial do Complexo de Auschwitz sirva de lição para a humanidade. Um valew valew.

Palácio Presidencial #Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos

Palácio Presidencial | Qasr Al Watan
Cidade: Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos
Local: Al Ras Al Akhdar
Link: https://www.qasralwatan.ae/
Google Maps: https://goo.gl/maps/PalacioPresidencialUAE
Preço: 07 € (30 AED)

⭐ Importância Histórica e Conteúdo ⭐ Arquitetura e Ambiente Interno ⭐ Sala de Exibição e Iluminação ⭐ Qualidade da Coleção dos Itens ⭐ Exibição e Exposição ⭐ Descrição e Display (Árabe + Inglês) ⭐ Recepção e Areas Públicas ⭐ Localização, Preço e Acessibilidade

Qasr Al Watan é mais do que um palácio, é um testemunho único do espírito do povo dos Emirados Árabes Unidos e de seus líderes. A experiência de visitar o Qasr Al Watan nos leva a um passeio inspirador e educacional. Nesse Palácio, podemos contemplar sobre os princípios que levaram o design árabe tradicional a um status notável, além de termos uma visão rara da governança e cultura dos Emirados através dos salões do Palácio.




O Palácio Presidencial dos Emirados Árabes Unidos é uma casa oficial para assuntos do estado, não é uma moradia residencial, se reserva somente a recepção de delegações oficiais e centro de debates tais como reuniões de assuntos de estado, tanto no âmbito internacional de países e liga árabe, quanto de assuntos internos [Câmara Federal] no que concerne as questões nacionais entre os 07 emirados e seus representantes.



THE GREAT HALL É a Principal área de circulação, nesse grande espaço, podemos apreciar o legado arquitetônico e artístico da região. Desde a cúpula central e os arcos até os padrões de ornamentação e mosaico, o Grande Salão é realmente um espetáculo para se ver. A característica mais marcante do Grande Salão é sua cúpula central. Situada a 60 metros acima do solo e com um diâmetro de 37 metros, esta cúpula meticulosamente trabalhada é uma das maiores do mundo.

Cúpula Central











Cúpula Central

THE PRESIDENTIAL BANQUET Ao visitar o espaço do Banquete Presidencial podemos imaginar como são recebidos os convidados oficiais em banquete nos costumes, protocolos e culinária local. O Banquete Presidencial possui uma variedade impressionante de cristais, porcelanas e talheres que foram feitos exclusivamente para o Qasr Al Watan.



SPIRIT OF COLLABORATION Esse e o espaço onde o futuro da região está sendo decidido. Nesse salão é onde entidades como o Conselho Supremo Federal, a Liga Árabe e o Conselho de Cooperação do Golfo se reúnem para expressar ambições, estabelecer agendas e traçar o caminho a seguir.





PRESIDENTIAL GIFTS Nesse salão há uma coleção de presentes que significam um legado de boa vontade entre os Emirados Árabes Unidos e o mundo. Projetado como uma vitrine vibrante de intercâmbio cultural e diplomacia internacional, esta exposição oferece aos visitantes a oportunidade de se aproximarem pessoalmente de alguns dos presentes diplomáticos mais queridos recebidos pelos Emirados Árabes Unidos.










Um dos salões que só é permitida a visitação através de uma visita guiada, trata de um magnífico, extraordinário ou simplesmente FABULOSO — É o salão destinado aos 07 Sheikhs  dos emirados “rules” que compõe a nação unida árabe, para tratativas locais sob os  costumes e tradições vinculada as monarquias árabes – podemos ver nas fotos abaixo sete cadeiras ao fundo. O salão é decorado em formato de tenta, ao estilo dos costumes árabes, onde as cores predominates são o azul (céu), dourado (deserto) e o branco (islã).





Para celebrar a herança do país, os SHEIKHS Khalifa bin Zayed Al Nahyan [Governante de Abu Dhabi – Presidente dos Emirados Árabes Unidos, desde 02.nov.2004 e idealizador do Palácio] e Mohammed bin Zayed Al Nahyan [Príncipe herdeiro de Abu Dhabi e vice-comandante supremo das Forças Armadas dos Emirados Árabes Unidos] decidiram abrir o palácio ao público em 11 de março de 2019, em uma cerimônia organizada pelos SHEIKHS  Mohammed bin Zayed e Mohammed bin Rashid Al Maktoum, vice-presidente e primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos e governante de Dubai respectivamente. Antes de sua abertura, o palácio era usado apenas para fins oficiais, como o acolhimento de líderes estrangeiros de estados, e para reuniões do conselho supremo do país e do gabinete federal. Mesmo depois de aberto ao público, o palácio continua a ser usado para esses fins.






Simplesmente MAGNÍFICO !!!! Um super valew valew Abu Dhabi — maʿa s-salāma habib.

Museu Nacional #Tblissi, Geórgia

Museu Nacional da Geórgia
Cidade: Tblissi, Geórgia
Local: Região Central
Tema: História, Arquitetura e Sociedade
Site: http://museum.ge/
Para saber mais: Historia da Geórgia (wiki)
Google Maps: https://goo.gl/maps/MuseuGeorgia

⭐ Importância Histórica e Conteúdo ⭐ Arquitetura e Ambiente Interno ⭐ Sala de Exibição e Iluminação ⭐ Qualidade da Coleção dos Itens ⭐ Exibição e Exposição ⭐ Tecnologia e Interação ⭐ Descrição e Display (Georgiano + Russo + Inglês) ⭐ Fotografias e/ou Ilustração Explicativas ⭐ Recepção e Areas Públicas ⭐ Localização, Preço e Acesso

O Museu Nacional da Geórgia é epicentro da história, cultura e sociedade georgiana. Digo isso se realmente quisermos entender um pouco desse simpático e representativo país. A Geórgia é um país Europeu (oriental) cravado bem ao centro das montanhas do cáucaso, cadeia de montanha que limita os continentes europeu do asiático. Uma Região singular que mantém fortes laços com a cultura, através de milênios, e repleta de conflitos políticos.

O Museu Nacional atual é uma unificação de dez diferentes museus que se somaram em 2004 para formar o maior complexo de museu do país. O Museu Nacional da Geórgia apresenta coleções de arte internacionalmente significativas e exposições dinâmicas e mutáveis, proporcionando ao público inspiração e conhecimento do maravilhoso mundo da cultura, arte, ciência e educação. As evidências e as provas da mais antiga existência humana na Eurásia são exibidas juntamente com a magnífica arte cristã medieval, jóias de ouro e prata impressionantes, pinturas modernas e contemporâneas de artistas georgianos e obras de arte em geral.

Há diversas exposições permanentes e temporárias, entre essas as arqueológicas, etnográficas, arte e fotos.





Exposição “Arqueologia da Geórgia do 8º milênio a.C. até o século 4 dC“. Material arqueológico, revelado na Geórgia nos últimos 50 anos, é exposto pela primeira vez. Todas as exposições apresentam uma linha contínua de desenvolvimento da cultura georgiana desde a era neolítica até a época da antiguidade tardia.













A exposição “Traje e armamento georgiano dos séculos 18 a 20“. A exposição será um pouco semelhante à época dos séculos 18 a 20. As fantasias masculinas e femininas mostram a diversidade de roupas da Geórgia, diferentes materiais, cores, decoração e ornamentos. O armamento criado de acordo com técnicas da Geórgia-Caucasiano apresentará ao público sua ampla história e variedade.

A exposição também conta com uma coleção especial de armamento georgiano dos séculos 18 a 20, que demonstra mais de 150 exposições etnográficas produzidas de acordo com a tecnologia caucasiano-georgiana. Entre eles estão as espadas; punhais; armas; revólveres dos sistemas Colt, Lefaucheux, Smith & Wesson, Gasser e Nagant; Facadas finas e fistônicas e vários tipos de armas de ataque e defensivas, populares e usadas ativamente na Geórgia do século XIX.







A exposição “Idade da Pedra Geórgia“. Devido à sua localização geográfica, o sul do Cáucaso sempre foi um cruzamento de culturas. Os primeiros seres humanos ocuparam repetidamente essa área nos últimos 2 milhões de anos. Já existem mais de 500 sites paleolíticos.

A exposição exibe a Idade da Pedra da Geórgia (1,77 milhão – 8 mil anos), além de material antropológico descoberto em outras partes do mundo, apresentando o fluxo temporal da evolução humana. A parte introdutória da exposição apresenta os paleoambientes e a evolução da fauna terrestre do Mioceno tardio (8 a 5 milhões de anos), antes das evidências da dispersão dos primeiros homininos nos territórios do sul do Cáucaso.

Os primeiros restos humanos datados de 1.770.000 anos atrás foram descobertos em Dmanisi (Kvemo Kartli), sul do Cáucaso. Esses achados são os fósseis mais antigos de hominíneos (humanos primitivos) encontrados na Eurásia e representam a primeira localidade de dispersão humana fora da África. Os homininos de Dmanisi (humanos primitivos) carregam informações únicas sobre o Homo primitivo. Hoje existem 5 cranianos, 4 mandíbulas e mais de 70 ossos pós-cranianos (ossos abaixo da cabeça) encontrados em Dmanisi. Além disso, o site é muito rico em achados paleontológicos e ferramentas de pedra.

Existem muitos sites paleolíticos que datam de 500.000 a 8.000 anos atrás, no território da Geórgia, pertencentes a diferentes períodos. O material recuperado nesses sítios arqueológicos mostra todas as etapas do desenvolvimento da ferramenta de pedra e revela processos adaptativos humanos no ambiente, bem como mudanças na estrutura social. Esta exposição apresenta reconstruções realistas dos primeiros homininos e do paleoambiente de Dmanisi por paleoartistas de renome mundial.














O Museu Nacional da Geórgia também apresenta a exposição “Biodiversidade do Cáucaso” em salas de exposições renovadas. O Museu Nacional da Geórgia preserva as coleções geológicas, botânicas e zoológicas únicas e esplêndidas do Cáucaso. Entre eles estão espécies raras, ameaçadas e já extintas.

A compilação das coleções de história natural agora preservadas no Museu Nacional da Geórgia. Vale ressaltar que parte das exposições exibidas hoje foi apresentada na Exposição Internacional de Paris em 1867-1869 e muitas delas receberam medalhas de ouro, prata e bronze.

Em meados do século XIX, o cientista e naturalista alemão Gustav Radde fez contribuições significativas para o desenvolvimento da museologia na Geórgia. A variedade de animais empalhados, coletada sob sua égide, predicou a primeira exposição zoológica do Cáucaso (1928-1972). Desde então, o material armazenado em fundos estava sob a supervisão constante de especialistas em museus. Devido a objetivos educacionais, o museu organizava periodicamente exposições em pequena escala.

Hoje, na nova exposição criada usando modernas tecnologias de museus, os visitantes verão a biodiversidade da região do Cáucaso – coleções geológicas, botânicas e zoológicas. A exposição mostra minerais, rochas, fósseis de animais invertebrados, herbários, moluscos, insetos, peixes, anfíbios, répteis, pássaros e mamíferos – que refletem perfeitamente o desenvolvimento evolutivo da flora e fauna da região da Geórgia e do Cáucaso em geral. A coleção suporta espécies endêmicas, relictas e já extintas, uma vez amplamente disseminadas pelo Cáucaso.

É dada atenção especial aos dioramas de décadas, restaurados por especialistas do Museu Nacional que adotam abordagens modernas – tigre-turan e javali exibidos na floresta da planície de inundação de Kura; Fauna dos lagos e pantanais da Geórgia e variedade de mamíferos no panorama do rio Vere.

O projeto é o resultado de vários anos de intenso trabalho realizado em estreita colaboração com a National Geographic Magazine Georgia e o Georgian National Museum. A criação do primeiro Mapa Ilustrado da Biodiversidade do Cáucaso foi totalmente apoiada pelo projeto GIZ – Integrated Biodiversity Management, South Cáucaso. O evento está sendo implementado dentro do “Ano Europeu do Patrimônio Cultural 2018”.

tigre-turan e javali





Geologia


Não posso deixar de destacar a incrível exposição “Tesouros Medieval” mostra arte medieval pré-cristã e georgiana, que reflete a continuidade das tradições culturais que foram a base para a formação do estado georgiano e da identidade nacional.

Juntamente com as obras-primas das coleções do Museu Nacional da Geórgia, a exposição também apresenta manuscritos dos séculos 10 a 18, preservados no Centro Nacional de Manuscritos. Entre os objetos está o Alaverdi Four Gospels (1054), que é o único manuscrito georgiano que contém um Mandylion – uma impressão da face do salvador na mortalha. Feita de couro e metal, a capa é decorada com pedras preciosas e imagens de esmalte cloisonné de São Jorge. O manuscrito dos Quatro Evangelhos Vani, dos séculos XII e XIII, encomendado pela rainha Tamar, também é exibido. Este é um manuscrito festivo e ricamente iluminado, que se distingue pelo uso abundante de ornamentos, decorações e pedras preciosas.

Os visitantes terão a possibilidade de ver ícones únicos, bordados, objetos de pedra e madeira, metais e outros artefatos medievais. A exposição representa todo o contexto da originalidade da arte cristã georgiana e do desenvolvimento contínuo, tendo sua origem na arte pré-cristã.













Manuscrito dos Quatro Evangelhos



Por fim, para esse post, apresentamos “O Soviet Occupation Hall” (sala da ocupação soviética) está localizado no 4º andar. Aqui, os visitantes podem encontrar os arquivos pessoais do estado de figuras públicas georgianas “subversivas”, ordens para atirar ou exilar e outros artefatos que representam a repressão cultural e política da era soviética na Geórgia. A sala de exposições está equipada com monitores, onde os visitantes podem assistir a documentários de vários eventos históricos. A exposição também inclui uma das carruagens de trem em que foram executados os participantes do levante nacional de 1924. Também é dedicada à história do movimento anti-ocupacional de libertação nacional da Geórgia e às vítimas da repressão política soviética durante todo esse período.

A título de complemento e para o conhecimento do público em geral, Josef Stalin nasceu na cidade georgiana de Gori, a 18 de dezembro de 1878 e faleceu em Moscou, 5 de março de 1953, foi um revolucionário comunista e político soviético. Governou a União Soviética de meados da década de 1920 até sua morte em 1953, servindo como Secretário Geral do Partido Comunista da URSS de 1922 a 1952, e como primeiro-ministro de seu país de 1941 a 1953. Inicialmente presidindo um estado unipartidário oligárquico que governava pelo sistema de pluralidade, tornando-se de facto o ditador da União Soviética na década de 1930.
























Há muitas outras exposições ativas no museu e temas expetaculares para serem explorados pelo visitante. O Museu Nacional da Geórgia é, sem sombra de dúvida, parada obrigatória de Tblisi – Cultura e História ao Extremo. Valew Valew !!!

Mesquita Azul #Istambul, Turquia

Mesquita Azul (Sultan Ahmet Camii)
Cidade: Istambul, Turquia
Local: Parque Arqueológico Sultanahmet
Tema: História, Arquitetura e Religião
Site: http://www.bluemosque.co/
Google Maps: https://goo.gl/maps/BlueMosque
Preço Normal: FREE
Continuar lendo “Mesquita Azul #Istambul, Turquia”

British Museum #Londres, Reino Unido

British Museum
Cidade: Londres, Inglaterra
Local: Great Russell st, Russell Square
Underground: Quatro estações próximas

    1. Tottenham Court Road: 5min
    2. Holborn: 7min
    3. Russell Square: 7min
    4. Goodge Street: 8min

Tema: História Universal
Site: https://www.britishmuseum.org/
Google Maps: https://goo.gl/maps/BritishMuseum
Preço: FREE
Continuar lendo “British Museum #Londres, Reino Unido”

Polish Army Museum #Varsóvia, Polônia

Polish Army Museum
Cidade: Varsóvia, Polônia
Local: Centro da Cidade, ala leste do prédio do Museu Nacional
Tema: Coleção de Artefatos Militares
Site: http://www.muzeumwp.pl/
Google Maps: https://goo.gl/maps/PolishArmyMuseum
Preço: 15 PLN (03 €)
Continuar lendo “Polish Army Museum #Varsóvia, Polônia”

05 Templos Religiosos #Nova Delhi, Índia

05 Templos Religiosos de Nova Delhi
Cidade: Nova Delhi, Índia
Tema: Religião | Cultura | Espiritualidade
Religiões: Islamismo, Hinduísmo, Sikhismo e Ecumenismo
Continuar lendo “05 Templos Religiosos #Nova Delhi, Índia”

Chernobyl Museu & Tour #Prypyat, Ucrânia

Chernobyl Museu & Tour 
Cidade: Prypyat, Ucrânia
Local: Zona de Exclusão de Chernobyl, 95km de Kyev, Fronteira com a Bielorrússia.
Tema: Catástrofe Nuclear | URSS 1986
Site: http://chornobylmuseum.kiev.ua
Tour: https://www.chernobyl-tour.com
Wiki: Acidente Nuclear de Chernobyl
WNA: https://www.world-nuclear.org/chernobyl
Google Maps: https://goo.gl/maps/Chernobyl
Price: Museu 24 UAH (1 €) – Tour 1d 2.500 UAH (90 €) e 2d 4.000 UAH (140 €)
Continuar lendo “Chernobyl Museu & Tour #Prypyat, Ucrânia”

Le Musée Matisse #Nice, France

Le Musée Matisse
Cidade:  Nice, France
Local: 164, avenue des Arènes de Cimiez | Colina Cimiez
Tema: Bellas Artes | Henri Matisse
Link: https://www.musee-matisse-nice.org/
News: Henri Matisse – The King of Colour – BBC
Google Maps: https://goo.gl/maps/MuseuMatisse
Price: 10
Continuar lendo “Le Musée Matisse #Nice, France”

Maidan | Praça da Independência #Kiev, Ucrânia

Maidan | Praça da Independência
Cidade: Kiev, Ucrânia
Local: Centro | Praça da Independência
Área: Maidan Nezalezhnosti
Tema: Política, Sociedade e Revolução
Foco: Revolução Estudantil contra o Governo
Período: Dez 2013 a Março de 2014
Documentário Netflix: Winter On Fire: Ukraine’s Fight for Freedom
Wiki: https://pt.wikipedia.org/wiki/Revolução_Ucraniana_de_2014
Site: https://www.maidanmuseum.org – Museum Em Construção –
Google Maps: https://goo.gl/maps/MaidanSquare
Continuar lendo “Maidan | Praça da Independência #Kiev, Ucrânia”

Amer Fort #Jaipur, Índia

Amer Fort
Cidade: Amer (ou Amber), Rajastão, Índia
Local: Cidade de Amer (montanhas) 11 km de Jaipur
Tema: História, Arquitetura, Cultura e Sociedade
Patrimônio Mundial da UNESCO, 2013
Site: https://www.travelogyindia.com/rajasthan/jaipur/amer-fort.html
Wiki: https://en.wikipedia.org/wiki/Amer_Fort
Arquitetura Mughal: https://www.hisour.com/mughal-architecture
Google Maps: https://goo.gl/maps/AmerFort
Preço: Turista Estrangeiro :: ₹ 550/-IND (7 €)
Continuar lendo “Amer Fort #Jaipur, Índia”